jump to navigation

Profissionais de saúde, nós temos medo setembro 7, 2010

Posted by o2 in Tecnologia.
Tags: , , ,
trackback

Você já precisou fazer ou acompanhar alguém em uma ressonância magnética?  Bem, hoje eu passei por uma experiência assustadora. Mas no final fiquei em dúvida se o problema é porque a clínica é muito nova ou porque é tudo desse jeito mesmo.

O que já começou a me assustar foi a clínica ter começado perguntando se em caso de necessidade eu autorizava a aplicação na veia de um determinado corante. Corante?! Na veia?! Isso assusta, viu! E se é preciso pedir minha autorização é porque há risco considerável no procedimento.

Segundo e pior momento. Nos deixa a sós (eu e meu filho que era quem estava sendo examinado) numa sala muito fria, com o moleque dentro de um aparelho enorme, que faz um barulho insuportável. Ninguém perguntou se já conhecíamos o exame. Ninguém se preocupou em nos preparar minimamente para o que viria. E o que mais incomodou, ninguém ficou conosco lá dentro.

É um exame demorado, logo após os 10 primeiros minutos não guentei mais de medo e pedi para o meu filho chamar a enfermeira pelo dispositivo que eles entregam para este fim. Dái é que fui explicado que ainda teria mais 20 minus de exame e que o barulho era normal. Só então me foi dado um abafador que tranquilizou um pouco mais o som. Mas ficam a péssima experiência e os questionamentos.

Por que ninguém pode ficar conosco na sala do exame? Acho que para marinheiros de primeira viagem ficar sozinhos frente àquele aparelho e sua produção sonora é assustador. Entretanto, que a tecnologia ainda esteja num ponto que seu desempenho assuste é perfeitamente compreensĩvel. Oq eu não é compreensĩvel é que a pessoa não seja preparada para esse  momento, com a máxima atenção e preocauções necessárias.

E  você ? Tem alguma experiência nesse sentido? Conta pra gente aí que é pra irmos mudando esse jogo devagarinho.

Anúncios

Comentários»

1. couro ecologico - setembro 23, 2010

Eles deveriam ter explicado como seria oo procedimento né? Com certeza vocês se sentiriam mais tranquilos!

2. dasilvaorg - setembro 24, 2010

é, pois é, no mínimo isso. Valeu pelo comment!

3. sergio sufi - maio 27, 2011

A Ponte e a Fila
A HISTÓRIA DE UM FILHO DA PUTA HONESTO
A VENDA NA LIVRARIA SARAIVA

Resumo
O grau de honestidade, de certa forma, sempre foi tratado como um tabu. A esperança em encontrá-lo de forma satisfatoria nas outras pessoas é o que fazem alguns não enterra-lo dentro de si próprio de uma vez por todas. Ninguém quer ser vitima dos desonestos, mas, às vezes, fazem vitimas para os iguais.

Autor
Sufi, Sergio

MAIS IMAGENS

Detalhes
Em nossa contemporaneidade, mas no passado distante, Laura Santos, uma órfã abandonada no portão de um convento, ainda bebê recém-nascido, foi encontrada pela irmã Sofia, uma freira, que com a ajuda de outras irmãs a criou e a educou dentro dos princípios cristãos. Aos seus dezessete anos, em uma investida de caridade, Laura conheceu Rebeca, uma drogada, interna em um hospício. Laura, em sua ingenuidade, achou ter encontrado uma amiga, porém, Rebeca a desvirtuou dos caminhos e das práticas cristã, levando-a a prostituição. Já pós-Balzaquiana, e conhecendo os dois lados da vida, resolve dar um sentido à sua existência, concebendo um filho e ensinando-o, na sua concepção, o lado mais compensador da vida, pela sua experiência. O certo é que o menino foi aprimorado e se tornou o filho de uma puta honesto! Mas, mesmo na fase adulta, seus empreendimentos eram escassos. Formado em história, vivia conspirando contra a própria história da humanidade; sempre reinventava interpretações, que embora lógicas, não tinha como prová-las. Nos fatos históricos, que podiam ser temperados com profecias, para cada acontecimento, como marco na humanidade, criava hipóteses em forma de teorias, que ele norteava como certa, ainda mais quando essas podiam ser recheadas de algo divino, nestes acontecimentos. Quando perde a mãe por uma doença terrível, desenvolve em si um estado de inércia que nada parecia ter a menor importância. Assim, algo extremamente cotidiano o desperta para vida. Então, resolve ser um político, como forma de ocupar-se e trazer um novo sentido para a sua existência. E daí? Um filho duma puta honesto ele conseguiu ser! E agora como político! Será que ele conseguirá ser um político honesto? Esta é a historia de A Ponte e a Fila!
Informação Adicional
A VENDA NA SARAIVA
Autor Sufi, Sergio
ISBN 978-85-7923-251-0
Páginas 243
Formato

4. Priscila - Imóveis João Pessoa - fevereiro 3, 2014

A empresa não foi profissional em não explicar como foi o procedimento nem em deixar os dois sozinhos naquela sala com aquele som esquisito, assusta mesmo não é nada tranquilo este tipo de exame e o dever deles é deixar a pessoa o menos nervosa o possivel, mas parece que eles não estavam muito preocupados com isso.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: