jump to navigation

Cancelar SMS do 46969 – ClubKdVc agosto 25, 2009

Posted by o2 in Defesa do consumidor.
Tags:
1.075 comments

Tem uma picaretagem com SMS por aí, que está associada de alguma forma com downloads e que passa a enviar mensagens de um número 46969 para seu celular.  No caso desse ClubKdVc, mensagenzinhas de propostas de encontros e talz.

Por  que eu chamo de picaretagem?

Porque o cidadão pode até assinar por engano um serviço destes, mas, as vias de cancelamento tem que ser claras e de fácil acesso.

Só que é justamente aí que está o truque.  O lance é extremamente ensaboado para cancelar. Quando você descobre a forma de cancelar, ou seja, enviando uma mensagem como o texto SAIR para o número 46969, então tem que enfrentar uma série de artifícios enganatórios e passar por vários envios de mensagem até finalmente conseguir o cancelamento. O principal artifício dos PICARETAS tem a ver com os caracteres e a grafia “incorreta” dos comandos. Se a coisa não vai com a disposição dos caracteres de forma milimetricamente correta, o que não é simples de entender logo de cara (ou porque eles confundem, ou porque está programado para ser aleatório ou o que quer que seja), então você fica recebendo mensagens truncadas, dando a entender que fez contato com algum outro participante do sistema ou que você já tinha conseguido cancelar o serviço mas que, por algum motivo, estava havendo uma desistência do cancelamento.

Ví em algumas mensagens de fóruns que isto chega a ser cobrado de quem está recebendo as mensagens.  Mas, não posso confirmar.

Como CANCELAR

Como existe a PICARETAGEM, não posso garantir que vai funcionar com você a sequência que vou colocar aqui. É só uma intuição. Lá vai:

a) Enviar Mensagem como texto SAIR para o 46969;

b) Ao receber a mensagem de que  está cadastrado no serviço ClubKdVc e que dever enviar a mensagem com SAIR+ClubKdVc ou SAIR+TODOS, envie outra mensagem para o 46969 com o texto SAIR TODOS (exatamente desta forma, com um espaço entre o SAIR e o TODOS).

c) Depois disso você precisa receber uma mensagem informando que o ClubKdVc foi cancelado.

d) Depois, se quiser, conta pra gente aqui como foi o seu caso, que é para a ajuda se tornar mais rica e acessível por outras pessoas.

Abraços

Livro didático, a extorsão nossa de cada ano janeiro 31, 2009

Posted by João Carlos Caribé in cidadania, Defesa do consumidor, Ecologia, Educacao, fobia tecnológica, Palavras ao vento, Ponto de vista, Tecnologia.
Tags: , ,
10 comments

Livros didaticos

Acredite ou não, nesta foto tem R$ 691,95 em livros didáticos, ou para ser mais preciso, ainda faltam três livros paradidaticos e três apostilas, mas em suma, R$ 691,95 por um conjunto de livros do nono ano (antiga oitava série) é no mínimo um roubo. Se dividirmos o preço total dos livros pela quantidade de livros, que são 15, temos que o livro médio custa R$ 46,15. Considerando os preços extorsivos dos livros no Brasil, R$ 46,15 é quanto custa em média bons bestsellers de negócios.

Por mais que as editoras argumentem, pode ser baixa tiragem, pode ser o que for, mas uma coisa é certa, a taxa de encalhe é nula ou próxima disto, todos os livros produzidos são vendidos, pois os pais, reféns da indicação do livro pela escola, são obrigados a compra-los. Livros estes que em geral, apesar da impressão em cores, são de baixa qualidade e em sua maioria descartáveis, não servem para um outro aluno no ano seguinte.

Na prática, nós pais, somos vitimas, reféns ou trouxas mesmo. No modelo jurássico de educação que vivemos, onde livros didáticos são escolhidos por coordenadores, e professores atuam como meros interpretes do plano de aula do autor do livro, não poderia ser diferente. Sem contar que o livro didático é protegido por direitos autorais, o que na prática não protege o autor coisa nenhuma, apenas garante os lucros absurdos do editor. Pois a unica forma de escapar deste custo extorsivo seria  utilizar livros de um colega que ja esta mais adiantado. “Deus me livre de meu filho usar livro dos outros”, falam alguns pais como se isto fosse a pior coisa do mundo, trouxa eles. Mas temos de adimitir, a industria de livros didáticos é uma verdadeira máfia, somos extorquidos todos os anos.

A luz no fim do túnel pode estar em algumas hipóteses:

  1. Reformulação do modelo educacional, onde o professor passe de supremo detentor do conhecimento para mentor do auto-ditatismo. Desta forma os livros didáticos seriam totalmente dispensáveis e/ou os alunos teriam a liberdade de consultar a fonte que estiver disponível e/ou desejar.
  2. Livros didáticos em creative commons, é uma tendência, muitas obras de grande qualidade estão em creative commons, são músicas, videos, imagens, livros e um monte de obras culturais em creative commons. A adoção deste modelo significa uma ruptura com o modelo de negócios que “comercializa a cultura”. Este modelo poderia ser em forma de livros e até mesmo em forma de Wikis, como a Wikipedia. Para isto precisamos deixar de demonizar a tecnologia.
  3. Eco-livros digitais livres – Estes seriam na verdade uma variação do item anterior, seriam como livres open source, que as escolas poderiam obter uma licenca única e replicar para seus alunos. Eco-livros seriam livros ou software com objetivo didático, como as enciclopedias digitais, com a vantagem de serem ecológicos e reaprovetaveis. Poderia ate receber upgrade automatico via web.

Estas são algumas hipoteses, quem sabe não apareçe um grupo de educadores para colocar a ideia do livro didatico livre em prática, provavelmente um projeto destes, colaborativo, produzirá um produto muito melhor, com a conjunção de ideias e pontos de vista dispares, um produto muito mais consistente.

Por fim, como na cultura livre, o conhecimento pertence à humanidade.

UPDATE 23:00 – Coincidência ou não, o @dpadua Twittou um site sobre uma iniciativa de livros didáticos livres.

Oi… Oi!… Oi pô! Tá surda é? outubro 2, 2008

Posted by João Carlos Caribé in Defesa do consumidor, Ponto de vista.
Tags: , , , ,
2 comments

A unanimidade é burra, o monopólio também emburrece. A Oi, queridinha do Lulla, esta para se tornar um grande monopolio das comunicações com a fusão com a BrT, e ai é que mora o problema, desculpe a franqueza, tirem as crianças da tela, mas estamos fudidos!

Quem mora no Rio, deve lembrar da extinta Telerj, um exemplo de como não deve ser uma cia telefônica, com a privatização das Teles, diversas empresas assumiram diversas regiões e as metas da ANATEL, deram um upgrade no nosso sistema telefônico. Na época em que as coisas eram dificeis, eu comprei uma linha telefônica para meu escritório em 98 pela bagatela de R$ 4.500,00, mas um ano antes vendi meu celular prefixo 984 por um pouco mais R$ 4.800,00, de forma que fiquei no lucro. Isto é para você ver como era o mercado de telefonia, pouco menos de 10 anos atrás.

A Telerj virou Telemar, e depois de ser campeã em reclamações no PROCON, adotou o simpático nome de sua operadora de celular, a Oi. Não sei ainda quanto tempo a marca Oi ira ficar imaculada, se é que ainda esteja, afinal eles vem se empenhando muito para queimar o próprio filme.

Confesso que estava satisfeito com a Oi, até agora, ja havia lido o post do Orlando sobre o Velox, e percebi que a coisa esta ficando feia, mas ainda não havia sido atingido pela “Oincompetência”. Mas isto mudou!

Aqui em casa todos temos celular da Oi, todos pré pagos, afinal temos a promoção Ligadores, que nos garante dez vezes o valor dos créditos e com R$ 20,00 para cada um da para falar o mês todo. Como de costume colocamos os créditos do meu filho, e em seguida ele fez algumas ligações e constatou que os créditos bonus não foram colocados, e que em poucas ligações ja havia gasto mais de R$ 10,00. Bom deve ter sido algum problema penso eu, e tentamos ligar para o *144 da Oi Móvel, ocupado direto, de qualquer celular Oi a mesma coisa, em qualquer tempo, desde as 14h que tentamos sem sucesso, depois tem um numero no site 0800 284 3131 que estranhamente e surdamente não entende o numero do telefone com o prefixo da cidade que a gravação pede para digitar, e quem disse que eles estão seguindo as novas regras do telemarketing, é robô atras de robô.

Há pouco menos de 40 minutos minha esposa achou um chat no site, ela abriu o chat e ganhou o numero 67 na fila de espera, depois pediu para que eu ficasse no controle, quando cheguei na posição 55, decidi escrever este post, e agora que estou quase terminando, ainda estou na posição 23. Não pretendo fechar e publicar o post agora, afinal tanto eu, como você meu(minha) caro(a) leitor(a) queremos saber o desfecho destas história não é? Então veja a seguir.

Sinto muito, por hoje não vai dar, por alguma razão inexplicavel a conexão do meu Oi Velox caiu por alguns minutos e perdi meu lugar na fila de espera, que era o sexto lugar já.

Amanhã, se a Oi quiser, eu digo o desfecho desta história.

BlogBlogs.Com.Br

Todo mundo já sabe, mas não custa repetir: Oi Velox é Péssimo junho 29, 2008

Posted by o2 in Defesa do consumidor.
Tags: , ,
51 comments

Num destes domingos fiquei sem Internet, sem prévio aviso nenhum, para uma suposta manutenção do serviço Oi Velox durante toda a tarde.

Depois de muito sofrimento falei com algumas pessoas que me disseram que posso ser ressarcido, desde que eu lembre de ligar e aturar outra bateria de stress quando chegar a próxima fatura.

É uma Via Crucis falar com a Oi Velox

Não é novidade o péssimo atendimento e descaso dos serviços de telefonia atualmete vendidos com a marca Oi. Logo, vamos acrescentar às estatísticas.

Das 14:30 às 14:50 foram mais de 5 ligações consecutivas para o 0800565658 para tentar resolver meu problema com o Oi Velox.

Bem, se nestas ligações alguém tivesse me atendido, falado comigo, me dado alguma expectativa, alguma explicação, tudo bem.

O problema é que em todas as ligações só ouvi gravações de sistemas automatizados.

Os procedimentos automatizados para diminuir o custo de operações da Oi Velox são um verdadeiro descaso com o cliente.

Mas o cliente, no meu caso, não é um problema para a Oi Velox. Principalmente porque não há aqui na região opção de banda larga que seja de fato concorrência.

Lucratividade em primeiro lugar, é óbvio

A gente vive ouvindo por aí que o cliente é importante, que o relacionamento com o cliente é fundamental, mas, na verdade a primeira preocupação das organizações com fins lucrativos é com a lucratividade. Isto é tão óbvio.

Mas é preciso por máscara no assunto. Imagine se de repente todas as empresas começassem a proclamar “Ei, cliente, faço tudo por você, desde que isto não impacte em nada na minha lucratividade, certo?”

A valorização do cliente só passa a existir no momento em que o cliente, represente algo que impacte a lucratividade.

E dizem que as organizações sempre raciocinam no curto prazo, por incrível que pareça.

Nem gosto de Michael Porter, mas, a lógica do “poder de negociação de cliente” é aceitável. Ou seja, se o custo de troca é alto, se não há substitutos à altura, se o produto da empresa é importante para o cliente, então aí…. o cliente não tem poder !!!!

O resto da estória

Às 15:30 fiz mais uma tentativa de contato. Desta vez consegui falar com um atendente. Porém, fui informado que devido à manutenção na minha região e eu teria que esperar mais duas horas pelo retorno do serviço.

Então eu quis saber como seria ressarcido pelo período sem acesso à Internet. Esperei mais 20 minutos para poder ser atendido por uma gentil operadora em Belo Horizonte.

Em seguida fui informado que deveria ligar para outro número para poder ser informado do procedimento de ressarcimento.

Ok. Liguei para o novo número, fui atendido por um rapaz bastante educado que estava no Rio de Janeiro e me passou as instruções. Só tem um problema…. Vou ter que esperar pela próxima fatura para poder fazer a “contestação” (que é como eles chamam o procedimento para pedir ressarcimento).

Conclusão

A internet voltou por volta das 20 horas. Além de todo o stress e o tempo perdido, ainda vou ter que esperar chegar a fatura da conta para ligar novamente e fazer a tal contestação.

Por isso, fica aqui o registo. o Serviço Oi Velox é péssimo. Só contrate se você não tiver outra opção!!!!!!!!!!!

Ah… E se você também ficar estressado com a Oi Velox, vai lá no CublicleFreakout, um joquinho em flash que mostra teu nível de stress enquanto você destroi as coisas no escritório e joga o micro pela janela!!!! A imagem é de lá.

O caso da posta de cação que nadou até congelar novembro 18, 2007

Posted by João Carlos Caribé in Defesa do consumidor, Ponto de vista.
Tags: , ,
2 comments

Certa vez fazendo compras com um conhecido, estranhei o fato dele pegar um frango congelado e colocar no carrinho sem antes pesar. Não resisti e perguntei por que ele não pesava logo o frango. Ele me respondeu que precisava levar o frango para “passear”, para ele perder um pouco do peso antes de pesar. Achei bobagem, mas quando vi a quantidade de agua que saia do pacote após meia hora de supermercado, entendi a sua motivação.

No sabado resolvemos fazer um delicioso penne ao molho de funghi com cação grelhado com molho de alcaparras na manteiga, uma delicia, pode acreditar.

Fomos ao supermercado, e dentre outras coisas e compramos postas de cação congeladas. Ao chegar em casa deixei as postas de cação descongelando. Logo que desembalei, percebi que as postas estavam cobertas por uma camada de gelo, e pela espessura e transparência do gelo, descartei a possibilidade de acumulo natural, uma vez que o gelo naturalmente depositado sobre o alimento é proveniente da umidade do ar e fica mais opaco e menos denso.

Pouco menos de meia hora depois as postas de cação estava literalmente nadando. Decidi avaliar a quantidade de agua que eu involuntariamente comprei junto com as postas de cação. Peguei um destes copos de Nutella pequenos, de 200 g, vazio e enchi com a água e o resto do gelo que estava soltando, o resultado você pode ver na foto abaixo.

Cacao aguado

Levando em conta que este copo de 200ml estava cheio, presumo que havia entre 150 e 200 g de gelo recobrindo as postas de cação, ficando com a média, vamos levar em contar 180g. Ou seja das 854g de postas de cação que comprei, 180g era gelo, ou seja, 22% do peso era água. Em outras palavras R$ 1,44 dos R$ 6,81 que paguei era gelo. Sem contar que depois na panela o cação literalmente cozinhou antes de grelhar, de tanta água que ainda sorou , e esta eu nem levei em consideração na conta acima.

Mas a preocupação principal não é esta aparente ludibriação, digo aparente por falta de referenciais concretos e legal para confirma-la ou não. Se este peixe foi realmente mergulhado em água, quais foram as condições de higiene ? Esta água estava limpa? Isenta de agentes contaminantes?

Se houve ou não houve ma fé do supermercado, só os orgãos competentes poderão confirmar, mas nos consumidores podemos fazer nossa parte, e eis aqui algumas dicas:

  • Leve sempre o seu congelado para passear, pegue-o no inicio das compras e pese-o no final, fazendo um pequeno furo na embalagem antes para esvaziar.
  • Obviamente a dica acima não é a melhor a ser seguida quando a quantidade de gelo aparente sobre o alimento é muito grande, neste caso não o compre.
  • Ao constatar irregularidades de pesos e medidades denuncie no IPEM-RJ (se for do Rio de Janeiro) ou no IPEM do seu estado. Se preferir, pode denunciar na ouvidoria do IPEM-RJ – (21) 2289 5886 ou pelo 0800 282 3040

Fiz a denuncia no IPEM na data da publicação deste post e o protocolo é 703553 vamos ver no que vai dar.