jump to navigation

Reunamos, a internet a favor dos portadores de necessidades especiais maio 20, 2010

Posted by João Carlos Caribé in cidadania, Tecnologia, Voluntariado.
Tags: , , , , , , , , , , , ,
add a comment

Quem não lembra do Jorge Carcavallo Picho, o diretor dos projetos de realidade virtual e inteligência artificial como Webbie Tookay, a primeira modelo virtual do mundo (julho 1999) e Sete Zoom, a ferramenta de inteligência artificial criada em 2001 por Ogilvy para Unilever Brasil. Jorge fechou a Davinci New Media e voltou para Buenos Aires, e surge agora com um fantástico mega projeto que será realizado simultaneamente em 195 países, para facilitar a vida de portadores de necessidades especiais, trata-se do projeto Reunamos.

REUNAMOS é um empreendimento sustentável de comunicação inovadora e interação com fim social. Resultado de uma pesquisa de mais de 6 anos. Tem por objetivo transformar significativamente a dramática e injustificável situação em que se encontram todas as pessoas com discapacidade (portadoras de necessidades especiais), através de inovadoras ferramentas de comunicação e informação desenvolvidas de forma coletiva, utilizando a vanguarda em conceitos e tecnologias. As propostas de interação  buscam integrar plenamente toda a comunidade relacionada com a discapacidade.

REUNAMOS tem por objetivo, por exemplo, que a pessoa que enfrenta uma discapacidade em si mesma ou em alguém próximo, ao colocar somente alguns dados pessoais e o diagnóstico, tenha IMEDIATAMENTE TODAS as informações atualizadas que necessita sobre assistências tecnológicas, temas legais, saúde, trabalho, educação, arquitetura, organizações sociais e voluntários, entretenimento, etc a nível local, nacional e internacional.

Um inovador serviço centrado no usuário e não na informação, onde a pessoa recebe todo o conhecimento disponível e não tem que, em meio ao choque, pesquisar dentre informações dispersas, e muitas vezes em diversos idiomas.

“Parece incrível que em 2010, em pleno século 21 e terceiro milênio, todos os días milhões de mães dediquem muitíssimas horas em peregrinações físicas e virtuais buscando alguma informação que as ajude a que seus filhos superem os sofrimentos de suas discapacidades. Assim como eu fiz, muitas chegam a se passar por estudantes de medicina para frequentar bibliotecas especializadas e até conferências internacionais.” Afirma Cris Posada uma das Parceiras Fundadoras de REUNAMOS.

O projeto, que utiliza o conceito Rumo ao TriCentenário, está sendo desenvolvido no marco dos Bicentenários da Argentina (2010-2016) e de outros países das Américas; o Decênio das Américas pelos Direitos e Dignidade das Pessoas com Discapacidade (2006-2016) e a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Discapacidade das Nações Unidas, entre outros.

Em plena Era da Informação e do Conhecimento, a falta ou dificuldade de acesso ao Conhecimento e aos recursos disponíveis para superar e/ou minimizar suas discapacidades e continuar suas vidas é uma das principais causas porque mais de 80% dos seres humanos com discapacidades ainda CAEM  por debaixo da linha da pobreza e indigência.

“Quantos Stephen Hawking a Humanidade está perdendo? As tecnologias solidárias e as assistências tecnológicas serão as grandes contribuições  para o bem da Humanidade no Século 21 e no Terceiro Milênio.” Disse o reconhecido especialista Rafael Kohanoff.

O sistema e base de dados serão oferecidos como Patrimônio Mundial da Humanidade, uma vez que serão desenvolvidos por especialistas de 195 países e terão os dados atuais e da evolução de mais de 650.000.000 de seres humanos.

“…Temos os  conhecimentos, existem os recursos, só precisamos de determinação e persistência…” comenta Jorge Carcavallo Picho, diretor do projeto – especialista em comunicação inovadora com mais de 30 anos de experiência.

Entre 1990-1995 ajudou a criar e desenvolver os mercados HOME-SOHO no Brasil, um dos pilares da internet atual. Até 2001 dirigiu projetos interativos que foram relatados em mais de 700 reportagens em 30 países, incluindo a revista Wired e a The Tech del MIT. Está voltando ao mercado TICs depois de uma investigação de 9 anos no setor social para analisar os principais desafios e potenciais soluções. É membro e fundador de diversas redes de organizações locais, nacionais e internacionais que trabalham em temas relacionados a novas formas de comunicação, meio-ambiente, desenvolvimento sustentável, discapacidade e educação para a cultura de paz.

A tecnologia atual e a que está sendo desenvolvida podem e devem ser usadas prioritariamente para os mais necessitados.
Estima-se que 2 por cento da população mundial sofre de alguma discapacidade devido a lesões produzidas por algum acidente. Só na Argentina, cerca de 15.000 pessoas por ano ficam com alguma discapacidade permanente, como conseqüência de acidentes de trânsito.

650.000.000 de seres humanos no mundo tem alguma discapacidade, de acordo com dados das Nações Unidas; 80.000.000 deles vivem nas Américas, segundo dados das OEA; Mais de 2.000.000 na Argentina tem alguma discapacidade, habitando 1 entre cada 5 lares.

Isto seriam só estatísticas mundiais, continentais e locais, se não fosse o fato de que mais de 80% de todos eles ainda CAEM por debaixo da linha da pobreza e da indigência. Este sofrimento evitável chega a afetar mais de metade da humanidade, uma vez que dificuldades superáveis alcançam suas famílias, inclusive obrigando-as a mudar de cidade ou país.

Se 1 de cada 10 no mundo tem alguma discapacidade, 9 de cada 10 somos afetados e responsáveis porque eles são nossos familiares, amigos, vizinhos, companheiros de estudos e trabalho. É com este grupo de pessoas que REUNAMOS trabalhará para otimizar ao máximo a qualidade de vida das pessoas com discapacidade.

Sobre Homens, Internautas e Cidadãos maio 19, 2008

Posted by o2 in Palavras ao vento.
Tags: , , , ,
add a comment
Internet usage in percent (2007)Imagem da Wikipedia

Ampliar as chances dos “novos entrantes” na internet exercerem sua cidadania requer tecnologia e escrita específicas. Concorda?!

Hoje começo minha participação aquí no Blog Cidadão abrindo uma discussão sobre o público da “escrita/leitura cidadã” na Internet.

Cidadão, segundo o Aurélio, é o “indivíduo no gozo dos direitos civis e políticos de um Estado”.

Para mim os Blogs tem sido uma forma especial de realizar este viver. Mas ao mesmo tempo, em função das minhas próprias dificuldades e da percepção das dificuldades das pessoas que me circulam, tenho me questionado ultimamente:

Para quem e com que objetivo escrevo?

Posso não ter leitores de fato, mas tenho que ter leitores alvo. Até dá para escrever como terapia, mas, se eu me considero dentro de um projeto político tenho que buscar aliados, pessoas que possam discutir o assunto, buscar alternativas em conjunto. Não dá para fazer sozinho. Este é um ponto da escrita específica. Por outro lado, dependendo do público alvo das minhas ações, terei que ter diferentes escritas e veículos específicos, não?

E a expressividade visibilidade de onde escrevo é importante?

Depende. Se eu estiver falando de algo realmente importante. ( E não sou eu que vou julgar isso) Se o assunto, as propostas, as idéias são potencialmente aproveitáveis por pessoas que podem fazer as coisas aconterem. Se as idéias já estão sendo amadurecidas há algum tempo e algo indica que podem gerar algo se visualizadas por um número significativo de pessoas. Se, Se, Se…. Sim talvez seja importante. Por outro lado, se acreditarmos na “nova web”, se você começar a falar de algo que seja percebido como importante e se começar a ganhar autoridade por isso, então, em algum momento virá a visibilidade.

O que fazer com a visibilidade (sucesso)?

A questão do visibilidade/sucesso é um ponto importante porque se a visibilidade/sucesso é o fim, então terei que fazer de tudo para manter a visibilidade/sucesso. Mas, #blogstress, não me interessa.

Como visibilidade/sucesso não é o fim, mas apenas uma ocorrência aleatória possível e desejável. Então a visibilidade/sucesso deve servir aos fins. (E poder ficar um pouquinho vaidoso também faz parte!!!!!! Rs Rs Rs)

Quais são os fins?

Incrível. Eles são tão difíceis de botar em palavras. Talvez porque não estejam tão bem assimilados ainda. Talvez porque eu tenha medo de falar bobagem!!! Rs Rs Rs

Na verdade há muitos fins, mas, recentemente começei a pensar em ações específicas para os excluídos das tecnologias web para como facilitar a inclusão e automaticamente as escolhas cidadãs.

E como é possível facilitar a inclusão e as escolhas cidadãs?

Bem, acredito que já estamos em parte dos meios. Rs Rs

Ao mesmo tempo percebo que lidar com cidadania para “novos entrantes” na internet é algo que não necessariamnte está alinhado com a palavra-chave “cidadania”.

Googlear cidadania leva a projetos fechados, lutas individuais, projetos famosos etc. Nenhum deles parece entretanto ter o objetivo de se comunicar com o “novo entrante” na internet.

Logo, ainda não tenho respostas. Mas estou a procura. Quer ajudar?!!